Desculpe, não possível recuperar os dados no momento.

Economia

Impasse no Congresso ameaça investimentos em eólicas offshore no Brasil

Atualmente, 97 projetos aguardam licenciamento ambiental; empresas temem que a falta de um marco regulatório no país desvie investimentos para o exterior

Revista Oeste

9 de julho de 2024

Facebook
WhatsApp
Telegram

Economia

Impasse no Congresso ameaça investimentos em eólicas offshore no Brasil

Atualmente, 97 projetos aguardam licenciamento ambiental; empresas temem que a falta de um marco regulatório no país desvie investimentos para o exterior

Revista Oeste

9 de julho de 2024

WhatsApp
Facebook

O impasse no Congresso diante da aprovação do marco regulatório das eólicas offshore levou empresas do setor temerem que investimentos migrem para países com legislação mais avançada.

Com cerca de 97 projetos em alto-mar aguardando licenciamento ambiental, a falta de um  arcabouço legal pode resultar na redução ou adiamento dessas iniciativas.

Cada projeto eólica offshore demanda até quatro anos de desenvolvimento e um investimento inicial de aproximadamente US$ 100 milhões (R$ 547 milhões, em média), além de US$ 2 bilhões (quase R$ 11 bilhões) na fase de execução.

Se o Congresso aprovar o projeto ainda este mês, a geração de energia offshore deve começar em 2031. Até lá, o governo vai precisar regulamentar a lei, e as empresas terão de realizar estudos de viabilidade e leilões para áreas em alto-mar.

Impacto econômico e entraves no Congresso 

O Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) estima que, se 25% dos projetos se tornarem operacionais, o PIB do Brasil pode aumentar em R$ 25 bilhões em quatro anos. Cada gigawatt-hora (GW/h) gerado por um parque eólico offshore pode criar 15 mil empregos diretos e indiretos, segundo IBP.

No Congresso, a transmissão do projeto parou depois de a Câmara dos Deputados incluir emendas que beneficiam termelétricas  a carvão e gás natural. O texto está parado no Senado desde abril.

O ministro Alexandre Silveira (Minas e Energia) criticou essas adições em uma comissão da câmara, afirmando que elas aumentariam a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) em R$ 25 bilhões, custo que seria repassado para a tarifa.

“Isso é frustrante. De novo é aquela história do Brasil perdendo as oportunidades”, disse Mauro Andrade, diretor executivo de desenvolvimento de negócios da Pruma.

Desinteresse e consequências para o mercado nacional

Além disso, a falta de interesse do Brasil em abrir o mercado para usinas offshore pode fazer com que outros países ocupem esse espaço. Caso o governo decida investir no setor mais tarde, o material utilizado será importado, em vez de ser produzido pela indústria nacional.

Empresas como Shell, Equinor e Petrobras veem nas eólicas uma forma de descarbonizar suas operações, enquanto AES e Iberdrola consideram o setor uma extensão da sua produção de energia.

Por outro lado, empresas menores, que desenvolvem projetos vendem partes deles para empresas maiores, são mais afetadas pela demora na aprovação do marco regulatório. Com as equipes paradas no Brasil, algumas empresas avaliam deslocá-las para países com legislação definida.

 

 

Últimas Notícias

Emissoras unidas no combate às fake news durante as eleições 2024

Rede Aerp traz série para ajudar eleitores a identificarem notícias manipuladas durante o processo eleitoral

Joel Damasio: o jornalista político que deixou sua marca em Cascavel

A rádio Estúdio 92 FM reverencia ícone do jornalismo Cascavelense

Defesa Civil mostra como será teste de alerta climático em duas cidades do Paraná

Testes com a população vão acontecer dia 20 de julho em Morretes e União da Vitória. Um cuidado que embasa o projeto é informar a população de que receberá o alerta de experiência, que será devidamente identificado como tal, para evitar pânico

Siga nos

Leia também

Inscrições vão até 18 de julho. Evento do Ministério do Turismo acontece entre os dias 8 e 11 de agosto, no Rio de Janeiro. Produtos paranaenses serão expostos no estande da Secretaria do Turismo do Paraná

Levantamento foi feito pela Proteste

A área cultivada total no país, com os produtos analisados, apresenta acréscimo de 1,5%, o que corresponde a 1,21 milhão de hectares a mais em relação à safra passada

No Estúdio News a opinião do jornalista político sobre a questão da saidinha

Conferência será realizada em Brasília de 14 a 17 deste mês

Política e informação no Programa Estúdio News e a participação de Alexandre Garcia

O jornalista político que participa diariamente na programação, esteve nesta quinta-feira (11) presencialmente na bancada

Rolar para cima

Inscrição feita com sucesso!